O cenário que vivemos atualmente no Brasil é de um descontrole inflacionário. Essa piora que persiste nas perspectivas inflacionárias tanto para 2021 quanto para 2022 devem fazer com que o Banco Central faça o possível e o impossível para conseguir controlar a crise inflacionária.

Na reunião que aconteceu ontem o COPOM decidiu elevar a taxa básica de juros em um ponto percentual, de 5,25% para 6,25% ao ano. Mas segundo opinião da ConsorcioCred, esse avanço em 1 ponto percentual não será suficiente para a inflação não estourar a meta em 2022.

Acreditamos que nas próximas reuniões o Banco Central deve dar seu verdadeiro recado para a população e para os economista, aumentando a taxa Selic em, pelo menos, 1,25 pontos.

O banco Central não pode mais agir com tamanha cautela aumentando a Selic em apenas 1 ponto por reunião até que as expectativas da inflação recuem já que estamos numa situação cada vez mais desfavorável para a dinâmica inflacionária.

Este foi o quinto aumento seguido dos juros brasileiros em 2021, que começaram a ser elevados no início do ano, quando passaram de 2,00% para 2,75% a.a.

Como fica o mercado imobiliário

Como já foi dito em conteúdos anteriores, a taxa Selic está altamente ligada aos recursos usados pelos bancos no crédito imobiliário. Se esse recurso fica escasso, o crédito fica mais caro.

Portanto, quanto maior a Selic, menos recurso na poupança e mais caro o crédito.

Como o setor imobiliário é um mercado de altos valores, ele depende muito da alta demanda e oferta de créditos acessíveis. Sabendo disso o que vai mudar e já vem mudando?

Os juros do financiamento imobiliário tem ficado cada vez mais caros devido a alta na Selic. Os grandes bancos já começaram a aumentar suas taxas mínimas de juros nesse seguimento.

Porem, é uma faca de dois gumes, pois se a Selic não subir, a inflação continuara fora de controle, aumentando os custos dos materiais ligados a construção, subindo a taxa do INCC e do IGP-M.

Com essas taxas mais altas, o setor imobiliário também desacelera.

Como fica o consórcio imobiliário?

Toda vez que o Banco Central elevar a Selic, o retorno de aplicações em papés públicos também aumenta. Dessa forma, como foi dito acima, diminui os investimentos na poupança e aumentando a Selic. Com menos dinheiro na poupança, os juros do financiamento ficam mais caros. A questão é que consórcio não tem juros incidindo sobre as parcelas.

Se a Selic não subir, a inflação ficará mais cara e consequentemente o INCC, que é o índice usado como base para reajustar as cartas de crédito no consórcio, continuara alto. Dessa forma, acreditamos que com a alta da Selic, o consórcio pode ser a salvação do setor imobiliário no Brasil.

Uma alternativa aos financiamentos bancários, o consórcio é um produto acessível, sem juros e com parcelas que cabem no seu bolso.

Todos os anos o consórcio tem crescido cada vez mais e hoje já representa parte considerável do PIB brasileiro. Com a alta na Selic a expectativa é que o consórcio cresça cada vez mais.

Quer adquirir um consórcio imobiliário?

Se você tem o plano de comprar uma casa, construir, reforma ou quitar um financiamento, mas está com medo das recentes altas no juros dos bancos, o consórcio é a solução para você.

Aqui na ConsorcioCred nós somos especialistas na compra e venda de consórcios a mais de 19 anos, e podemos te ajudar a realizar seu sonho.

Em 19 anos de história são milhares de clientes ajudados e nenhuma crítica no Reclame Aqui. Alem disso, temos a nota máxima no Google meu Negócio.

Quer fazer a aquisição do seu consórcio com a ajuda da ConsorcioCred? É só clicar no link abaixo:

https://credibilidade.consorciocred.com/porto-seguro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *